Review: Quando Eu Era Vivo (2014), de Marco Dutra

Quando Eu Era Vivo, de Marco Dutra1

Existe um novíssimo cinema brasileiro por trás das produções mais comerciais que ocupam as salas de exibição. Em posição inadequada, esses realizadores independentes tentam redefinir ou experimentar a linguagem cinematográfica nacional, muitas vezes sem chegar ao grande público devido aos problemas de distribuição ou pelo desinteresse de parte dos espectadores.

Ocupando festivais ou circuitos de arte, nomes como Marco Dutra, Juliana Rojas e Gabriela Amaral Almeida, para citar alguns que trabalharam neste “Quando Eu Era Vivo”, já se consagraram como grandes cineastas, e assistir às suas obras é sempre uma experiência diferenciada, já que eles conseguem subverter expectativas, degustar gêneros e contar boas histórias.

Em seu segundo longa-metragem como diretor, Dutra, que dividiu a direção do ótimo “Trabalhar Cansa” (2011) com Rojas, que concorreu ao Un Certain Regard, em Cannes, adapta o livro “A Arte de Produzir Efeito Sem Causa”, de Lourenço Mutarelli (autor também de “O Cheiro do Ralo” e “Natimorto”), entregando um filme de gênero pouco feito no Brasil. O terror/suspense tipicamente hitchcockiano conta a história de Junior (Marat Descartes), que volta a morar com o seu pai (Antonio Fagundes) após a separação da esposa.

Lá ele conhece Bruna (Sandy Leah), uma estudante de música que aluga um quarto no apartamento. Enquanto tenta se restabelecer, Junior passa a se sentir estranho dentro de casa, principalmente quando encontra objetos que remetem à sua infância, quando sua mãe ainda era viva. A obsessão para recuperar suas memórias vai deixá-lo entre o medo e o delírio, e isso pode ser perigoso.

Se em “Trabalhar Cansa” Dutra e Rojas investiram no suspense com abordagem social, em “Quando Eu Era Vivo” o que acompanhamos é a gradativa imersão do protagonista no conturbado passado familiar. O realismo fantástico e a loucura estão presentes desde o início da projeção, pontuada logo na primeira cena com a sugestão de um louco que vive gritando na vizinhança e que nunca é visto. A abordagem do sobrenatural é basicamente hollywoodiana, com todos os elementos que se convencionaram do gênero, mas o diretor acerta ao narrar a trama de forma mais crua nos dois primeiros atos, sugerindo mais do que expondo.

A exposição acontece nos momentos adequados para deixar o público em suspensão. O clima constante do desconhecido provoca inquietação, enquanto o jogo de cena brinca com as possibilidades do medo. Um medo que é muito mais psicológico do que físico, abusando apenas dos repetidos ruídos entre cenas que algumas vezes deslocam a atenção do espectador. Em contrapartida, a trilha sonora sempre respeita o drama e a tensão criados durante a projeção, além de usar as canções como elemento narrativo agregador, o que não deve ser difícil para Dutra, que também é compositor.

Destaque também para a fotografia de Ivo Lopes Araújo, um dos nomes mais representativos do cinema nacional, e para a equipe de cenografia, iluminação, arte e maquiagem, todos em sintonia para transformar o apartamento, que é a base principal para a trama, de um lugar pacato a um espaço caótico. Os local se torna obscuro de acordo com a crescente paranoia de Junior. Aqui, Juliana Rojas assume o cargo de montadora, conferindo o ritmo que o gênero necessita.

Independente da fidelidade à obra original, que eu ainda não li, a parceria no roteiro com Gabriela Amaral Almeida funciona de forma gloriosa. A cineasta, responsável por curtas como “A Mão que Afaga” (2011) e “Terno” (2013), excelentes, usa sua desenvoltura na criação de situações poderosas, o que diferencia “Quando Eu Era Vivo” dos filmes de terror enlatados. A parceria é bem-vinda, já que tanto em “Trabalhar Cansa” quanto nos curtas “O Lençol Branco” (2003) e “Um Ramo” (2007), ambos correalizados por Dutra e Rojas, existe uma atmosfera do inesperado sempre muito bem determinada pela dramaturgia. Com tais competências, o longa acaba crescendo do segundo para o terceiro ato, quando precisa pontuar suas motivações. Tais esclarecimentos não são tão didáticos, o que garante originalidade à obra.

O ator Marat Descartes encarna com segurança o transtornado Junior em todas as as etapas de sua “loucura”. Ao lado de Antonio Fagundes, o roteiro estabelece uma relação desgastada entre os dois, supostamente causada por problemas do passado que ainda afetam a família, por mais que eles tentem inicialmente conviver bem. Sandy Leah aparece no longa como um bom trunfo para atrair mais público. Sua doçura de sempre e voz angelical se fazem presentes, sendo difícil apartar sua imagem de ex-cantora teen. Entretanto, sua atuação não compromete o longa e ela possui provavelmente o personagem mais complexo, seduzida pela situação em que foi inserida.

Desafiando o público a desvendar a história (e a se interessar pelo livro que deu origem ao roteiro), “Quando Eu Era Vivo” é mais um bom exemplo do que o cinema independente brasileiro tem feito e revigora um gênero de baixa expressividade. Não espere por grandes sustos, espere por tensão suficiente para não desgrudar os olhos da tela.

Avaliação: 8/10

Texto originalmente publicado no Cinema com Rapadura.

(Visited 17 times, 1 visits today)