Indicados ao Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2014

Faroeste CabocloGP

A 13ª edição do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, concedido pela Academia Brasileira de Cinema, acontece no dia 26 de agosto, no Rio de Janeiro, e premiará os profissionais e filmes lançados comercialmente em 2013. Os longas “Faroeste Caboclo” e “Serra Pelada” lideram as indicações, com 13 cada, seguidos de “Flores Raras”, com 12. A nova categoria Melhor Longa-Metragem de Comédia é encabeçada por “Cine Holliúdy”, com 10 indicações. O Canal Brasil exibe a premiação na TV e na internet.

A premiação também abre espaço para o público escolher seus favoritos. Os cinéfilos poderão ajudar a eleger os vencedores do Grande Otelo nas categorias Melhor Longa-Metragem Ficção, Melhor Longa-Metragem Documentário e Melhor Longa-Metragem Estrangeiro em votação popular pelo site oficial da Academia.

Veja abaixo a lista dos indicados ao GP:

MELHOR LONGA–METRAGEM DE FICÇÃO
“Cine Holliúdy”, de Halder Gomes
“Faroeste Caboclo”, de Rene Sampaio
“Flores Raras”, de Bruno Barreto
“O Som ao Redor”, de Kleber Mendonça Filho
“Tatuagem”, de Hilton Lacerda

MELHOR LONGA–METRAGEM DE DOCUMENTÁRIO
“A Luz do Tom”, de Nelson Pereira dos Santos
“Dossiê Jango”, de  Paulo Henrique Fontenelle
“Elena”, de Petra Costa
“Jorge Mautner – O Filho do Holocausto”, de Pedro Bial e Heitor D’Alincourt
“O Dia que Durou 21 Anos”, de Camilo Tavares
“São Silvestre”, de Lina Chamie

MELHOR LONGA-METRAGEM DE ANIMAÇÃO
“Minhocas”, de Paolo Conti
“Uma História de Amor e Fúria”, de Luiz Bolognesi

MELHOR LONGA-METRAGEM INFANTIL
“Corda Bamba”, de Eduardo Goldenstein
“Meu Pé de Laranja Lima”,  de Marcos Bernstein
“Minhocas”, de Paolo Conti
“Tainá – A Origem”, de Rosane Svartman

MELHOR LONGA-METRAGEM DE COMÉDIA
“Cine Holliúdy”, de Halder Gomes
“Colegas”, de Marcelo Galvão
“Mato Sem Cachorro”, de Pedro Amorim
“Meu Passado me Condena”, de Julia Rezende
“Minha Mãe é uma Peça – O Filme”, de André Pellenz

MELHOR DIREÇÃO
Bruno Barreto, por “Flores Raras”
Halder Gomes, por “Cine Holliúdy”
Heitor Dhalia, por “Serra Pelada”
Hilton Lacerda, por “Tatuagem”
Kleber Mendonça Filho, por “O Som ao Redor”

MELHOR ATRIZ
Fernanda Montenegro, por “O Tempo e o Vento”
Gloria Pires, por “Flores Raras”
Isis Valverde, por “Faroeste Caboclo”
Leandra Leal, por “Mato Sem Cachorro”
Shophie Charlotte, por “Serra Pelada”

MELHOR ATOR
Edmilson Filho, por “Cine Holliúdy”
Fabrício Boliveira, por “Faroeste Caboclo”
Irandhir Santos, por “Tatuagem”
Irandhir Santos, por “O Som ao Redor”
Jesuíta Barbosa, por “Tatuagem”
Wagner Moura, por “A Busca”

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Alexandra Richter, por “Minha Mãe é uma Peça – O Filme”
Ana Marlene, por “Cine Holliúdy”
Ângela Leal, por “Bonitinha, mas Ordinária”
Bianca Comparato, por “Somos Tão Jovens”
Sandra Corveloni, por “Somos Tão Jovens”

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Antônio Calloni, por “Faroeste Caboclo”
Bruno Torres, por “Somos Tão Jovens”
Jesuíta Barbosa, por “Serra Pelada”
Matheus Nachtergaele, por “Serra Pelada”
Wagner Moura, por “Serra Pelada”

MELHOR DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA
Adrian Teijido, por “A Busca”
Affonso Beato, por “O Tempo e o Vento”
Gustavo Hadba, por “Faroeste Caboclo”
Lito Mendes da Rocha, por “Serra Pelada”
Mauro Pinheiro Jr., por “Flores Raras”

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
José Joaquim Salles, por “Flores Raras”
Juliano Dornelles, por “O Som ao Redor”
Marcelo Escañuela, por “A Busca”
Renata Pinheiro, por “Tatuagem”
Tiago Marques, por “Faroeste Caboclo”
Tiza de Oliveira, por “O Tempo e o Vento”
Tulé Peake, por “Serra Pelada”

MELHOR FIGURINO
Bia Salgado, por “Serra Pelada”
Chris Garrido, por “Tatuagem”
Joanna Fontelles, por “Cine Holliúdy”
Macelo Pies, por “Flores Raras”
Valéria Stefani, por “Faroeste Caboclo”

MELHOR MAQUIAGEM
Ancelmo Saffi, por “Flores Raras”
Auri Mota, por “Faroeste Caboclo”
Chris Pires, por “Cine Holliúdy”
Donna Meirelles, por “Tatuagem”
Siva Rama Terra, por “Serra Pelada”

MELHOR EFEITO VISUAL
Bruno Monteiro, por “Uma História de Amor e Fúria”
Carlos Eduardo Nogueira, por “O Som ao Redor”
Omar Colocci e Rafael Rodrigues, por “Faroeste Caboclo”
Robson Sartori, por “Flores Raras”
Robson Sartori, por “Serra Pelada”

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL
André Pereira, por “Mato Sem Cachorro”
Halder Gomes, por “Cine Holliúdy”
Heitor Dhalia e Vera Egito, por “Serra Pelada”
Hilton Lacerda, por “Tatuagem”
Kleber Mendonça Filho, por “O Som ao Redor”

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Bernard Attal, Iziane Mascarenhas e Sergio Machado, por “A Coleção Invisível”
Matthew Chapman e Julie Sayres, por “Flores Raras”
Marcos Bernstein e Melanie Dimantes, por “Meu Pé de Laranja Lima”
Marcos Bernstein e Victor Atherino, por “Faroeste Caboclo”
Nelson Pereira dos Santos e Miucha, por “A Luz do Tom”
Paulo Gustavo e Fil Braz, por “Minha Mãe é uma Peça – O Filme”

MELHOR MONTAGEM FICÇÃO
Dirceu Lustosa, por “Somos Tão Jovens”
Helgi Thor, por “Cine Holliúdy”
Kleber Mendonça Filho e João Maria, por “O Som ao Redor”
Letícia Giffoni, por “Flores Raras”
Marcio Hashimoto, por “Faroeste Caboclo”

MELHOR MONTAGEM DOCUMENTÁRIO
Alexandre Saggese e Luciane Correia, por “A Luz do Tom”
Cesar Tuma e Verônica Saenz, por “O Dia que Durou 21 Anos”
Leyda Nápoles, por “Jorge Mautner – O Filho do Holocausto”
Marília Moraes e Tina Braz, por “Elena”
Paulo Henrique Fontenelle, por “Dossiê Jango”

MELHOR SOM
Alessandro Laroca, Armando Torres Jr. e Eduardo Virmond Lima, por “Uma História de Amor e Fúria”
Alfredo Guerra e Érico Paiva, por “Cine Holliúdy”
João Godoy, Mártin Grignaschi, Diego Gat e Lucas Meyere, por “Serra Pelada”
Jorge Saldanha, Alessandro Laroca, Armando Torres Jr. e Eduardo Virmond Lima, por “O Tempo e o Vento”
Leandro Lima, Miriam Biderman, Ricardo Chuí e Paulo Gama, por “Faroeste Caboclo”
Paulo Ricardo Nunes, Alessandro Laroca e Armando Torres Jr., por “Flores Raras”

MELHOR TRILHA SONORA
Fil Pinheiro, por “Elena”
Jards Macalé, por “Jards”
Jorge Mautner, por “Jorge Mautner – O Filho do Holocausto”
Lina Chamie, por “São Silvestre”
Paulo Jobim, por “A Luz do Tom”

MELHOR TRILHA SONORA ORIGINAL
Antônio Pinto, por “Serra Pelada”
Carlos Trilha, por “Somos Tão Jovens”
DJ Dolores, por “O Som ao Redor”
Marcelo Zarvos, por “Flores Raras”
Phillipe Seabra, por “Faroeste Caboclo”

MELHOR CURTA FICÇÃO
“Au Revoir”, de Milena Times
“Flerte”, de Hsu Chien
“Linguagem”, de Luis Rosemberg Filho
“Os Irmãos Mai”, de Thais Fujinaga
“Todos os Dias em que Sou Estrangeiro”, de Eduardo Morotó

MELHOR CURTA DOCUMENTÁRIO
“A Guerra dos Gibis”, de Thiago Brandimarte Mendonça e Rafael Terpins
“Até o Céu Leva Mais ou Menos 15 Minutos”, de Camilla Battistetti
“Contos da Maré”, de Douglas Soares
“Gericinó”, de Gabriel Medeiros e Maria Clara Senra
“Luna e Cinara”, de Clara Linhart

MELHOR CURTA ANIMAÇÃO
“Engole ou Cospervilha”, de David Mussel, Fernanda Valverde, Gabriel Bitar, Giuliana Danza, Jonas Brandão, Marcelo Marão, Pedro Eboli e Zé Alexandre
“Faroeste – Um Autêntico Western”, de Wesley Rodrigues
“Graffiti Dança”, de Rodrigo EBA
“Macacos me Mordam”, de Sávio Leite e Cesar Mauricio
“O Menino que Sabia Voar”, de Douglas Alves Ferreira
“Paleolito”, de Ismael Lito e Gabriel Calegario
“Quinto Andar”, de Marcos Nick
“Um Dia de Trabalho”, de Francisco Rosatelli

MELHOR LONGA–METRAGEM ESTRANGEIRO
“A Grande Beleza”, de Paolo Sorrentino
“Amor”, de Michael Haneke
“Azul é a Cor Mais Quente”, de Addellatif Kechiche
“Blue Jasmine”, de Woody Allen
“Django Livre”, de Quentin Tarantino

(Visited 22 times, 1 visits today)