Oscar 2013: Entre ursinhos e tubarões

Ben Affleck

O Oscar está mudando. Não falo necessariamente dos critérios de avaliação, que ainda são marcados pelo conservadorismo, mas há uma visível tentativa de atrair o público mais jovem e, principalmente, distribuir prêmios entre os indicados. Não temos mais grandes vencedores, que arrebatam diversas estatuetas. A maior premiação do cinema caminha para agradar a todos. Mas nem sempre funciona, já que erros desagradáveis continuam acontecendo.

Ontem, a cerimônia ganhou o charme e o bom humor de Seth MacFarlane, que apresentou o Oscar com muita propriedade após ter carta branca da Academia para fazer o que quiser. Por mais que tenha começado afiado, no terceiro ato da premiação ele pareceu um pouco desinteressado em continuar soltando piadas. Ou cansado. Afinal, as três horas de evento cansam qualquer um, principalmente nós que não estamos no Teatro Dolby.

Ao contrário do clima descontraído e das bebidas do Globo de Ouro, o Oscar ainda adota um formato mais  elegante. Esse ano, a homenagem ao gênero musical quase transformou o evento em um espetáculo da Broadway, não fosse o gosto duvidoso de vários números apresentados. Destaques positivos para o próprio Seth cantando no palco. Adele e Jennifer Hudson pareciam nervosas, mas não fizeram feio. Adele honrou o Oscar vencido pela música Skyfall, enquanto Hudson relembrou um dos momentos mais emocionantes de Dreamgirls. Já Catherine Zeta-Jones desonrou o já desonrado Oscar recebido por Chicago… E Moulin Rouge, o musical da retomada, sequer foi lembrado!

Um dos pontos altos da noite foi a projeção do ursinho Ted no palco, que apareceu tanto para divulgar a continuação da comédia de sucesso quanto para exalar fofura. O contraponto foi a selecionada trilha sonora do evento, que inseriu temas como o de Tubarão para literalmente expulsar alguns premiados que se estenderam nos agradecimentos. Deselegante, mas engraçado. Os improvisos não funcionaram como deviam e Paul Rudd deve estar com um pouco de vergonha até agora. Falando em vergonha, Jennifer Lawrence entrou para a história mais pelo seu tombo nas escadas que pelo prêmio recebido por O Lado Bom da Vida. Meryl Streep foi a diva de sempre, mesmo sendo flagrada ajeitando a calcinha.

Esse ano foi um dos mais previsíveis, mas ainda assim tivemos algumas boas surpresas. Ang Lee destruiu o favoritismo de Steven Spielberg na categoria de Melhor Diretor, enquanto a pressão para Argo vencer o prêmio principal deu certo. Lincoln recebeu apenas duas estatuetas. Os erros (ou injustiças) foram poucos, com destaque para o prêmio de Direção de Arte para Lincoln, quando Anna Karenina era o grande favorito. A ausência de Ben Affleck, Kathryn Bigelow e Paul Thomas Anderson em Direção e a esnobada de O Mestre e Moonrise Kingdom incomodaram. Amor levou Filme Estrangeiro, conquistando a Academia com cinco indicações, mas certamente Pietà, que sequer concorreu, seria a melhor escolha. Surpresa foi o empate na categoria de Edição de Som, que premiou A Hora Mais Escura e 007 – Operação Skyfall, depois de décadas sem registrar um empate.

Foi um Oscar cansativo e previsível, que me fez comemorar apenas com a vitória de Argo no prêmio principal. Agora é hora de começar um novo ano. Queremos mais filmes. Queremos sorrir e chorar. Que venham os bons!

Lista dos vencedores:

MELHOR FILME
– “Argo”

– “Django Livre”
– “As Aventuras de Pi”
– “Lincoln”
– “A Hora Mais Escura”
– “Os Miseráveis”
– “O Lado Bom da Vida”
– “Indomável Sonhadora”
– “Amor”

MELHOR ATOR
– Daniel Day-Lewis – “Lincoln”

– Joaquin Phoenix – “O Mestre”
– Denzel Washington – “O Voo”
– Bradley Cooper – “O Lado Bom da Vida”
– Hugh Jackman – “Os Miseráveis”

MELHOR ATRIZ
– Jessica Chastain – “A Hora Mais Escura”
– Naomi Watts – “O Impossível”
Jennifer Lawrence – “O Lado Bom da Vida”
– Emmanuellle Riva – “Amor”
– Quvenzhané Wallis – “Indomável Sonhadora”

MELHOR ATOR COADJUVANTE
– Alan Arkin – “Argo”
– Philip Seymour Hoffman – “O Mestre”
– Tommy Lee Jones – “Lincoln”
Christoph Waltz – “Django Livre”
– Robert De Niro – “O Lado Bom da Vida”

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
– Amy Adams – “O Mestre”
– Sally Field – “Lincoln”
Anne Hathaway – “Os Miseráveis”
– Helen Hunt – “As Sessões”
– Jacki Weaver – “O Lado Bom da Vida”

MELHOR DIRETOR
Ang Lee – “As Aventuras de Pi”
– Steven Spielberg – “Lincoln”
– Michael Haneke – “Amor”
– David O. Russell – “O Lado Bom da Vida”
– Benh Zeitlin – “Indomável Sonhadora”

MELHOR ROTEIRO
– Mark Boal – “A Hora Mais Escura”
Quentin Tarantino – “Django Livre”
– Michael Haneke – “Amor”
– Wes Anderson, Roman Coppola – “Moonrise Kingdon”
– John Gatins – “O Voo”

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO
Chris Terrio – “Argo”
– Lucy Alibar, Benh Zeitlin – “Indomável Sonhadora”
– David Magee – “As Aventuras de Pi”
– Tony Kushner –  “Lincoln”
– David O. Russell – “O Lado Bom da Vida”

MELHOR FILME EM LÍNGUA ESTRANGEIRA
Amor (Áustria)
– O Amante da Rainha (Dinamarca)
– Kon-Tiki (Noruega, Reino Unido, Dinamarca)
– No (Chile)
– War Witch (Canadá)

MELHOR LONGA ANIMADO
Valente
– Frankenweenie
– Detona Ralph
– ParaNorman
– Piratas Pirados!

MELHOR TRILHA SONORA ORIGINAL
– Dario Marianelli – “Anna Karenina”
– Alexandre Desplat – “Argo”
Mychael Danna – “As Aventuras de Pi”
– John Williams – “Lincoln”
– Thomas Newman – “007 – Operação Skyfall”

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL
– “Before My Time” – Chasing Ice
– “Everybody Needs A Best Friend” – Ted
– “Pi’s Lullaby” – As Aventuras de Pi
“Skyfall”- 007 – Operação Skyfall
– “Suddenly” – Os Miseráveis

MELHORES EFEITOS VISUAIS
– “O Hobbit: Uma Jornada Inesperada”
“As Aventuras de Pi”
– “Os Vingadores”
– “Prometheus”
– “Branca de Neve e o Caçador”

MELHOR MAQUIAGEM
– “Hitchcock”
– “O Hobbit: Uma Jornada Inesperada”
“Os Miseráveis”

MELHOR FOTOGRAFIA
– “Anna Karenina”
– “Django Livre”
“As Aventuras de Pi”
– “Lincoln”
– “007 – Operação Skyfall”

MELHOR FIGURINO
“Anna Karenina”
– “Os Miseráveis”
– “Lincoln”
– “Espelho, Espelho Meu”
– “Branca de Neve e O Caçador”

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
– “Anna Karenina”
– “O Hobbit: Uma Jornada Inesperada”
– “Os Miseráveis”
– “As Aventuras de Pi”
“Lincoln”

MELHOR MONTAGEM
“Argo”
– “As Aventuras de Pi”
– “Lincoln”
– “O Lado Bom da Vida”
– “A Hora Mais Escura”

MELHOR EDIÇÃO DE SOM
– “Argo”
– “Django Livre”
– “As Aventuras de Pi”
“007 – Operação Skyfall”
“A Hora Mais Escura”

MELHOR MIXAGEM DE SOM
– “Argo”
“Os Miseráveis”
– “As Aventuras de Pi”
– “Lincoln”
– “007 – Operação Skyfall”

MELHOR DOCUMENTÁRIO
– “5 Broken Cameras”
– “The Gatekeepers”
– “How to Survive a Plague”
– “The Invisible War”
“Searching for Sugar Man”

MELHOR DOCUMENTÁRIO – CURTA-METRAGEM
“Inocente”
– “Kings Point”
– “Mondays at Racine”
– “Open Heart”
– “Redemption”

MELHOR CURTA-METRAGEM
– “Asad
– “Buzkashi Boys”
“Curfew”
– “Death of a Shadow (Dood van een Schaduw)”
– “Henry”

MELHOR CURTA ANIMADO
– “Adam and Dog”
– “Fresh Guacamole”
– “Head over Heels”
– “Maggie Simpson in ‘The Longest Daycare’”
“Paperman”

(Visited 33 times, 1 visits today)