Posts Marcados: Gabriela Amaral Almeida

o animal cordial gabriela

Entrevista | Gabriela Amaral Almeida, diretora de “O Animal Cordial” (2017)

Em “O Animal Cordial”, diretora Gabriela Amaral Almeida usa o horror como espelho de uma sociedade violenta Um dos nomes mais criativos do cinema brasileiro contemporâneo, Gabriela Amaral Almeida lança nos cinemas “O Animal Cordial”, seu primeiro longa-metragem após uma

o animal cordial gabriela

Entrevista | Gabriela Amaral Almeida, diretora de “O Animal Cordial” (2017)

Em “O Animal Cordial”, diretora Gabriela Amaral Almeida usa o horror como espelho de uma sociedade violenta Um dos nomes mais criativos do cinema brasileiro contemporâneo, Gabriela Amaral Almeida lança nos cinemas “O Animal Cordial”, seu primeiro longa-metragem após uma

Mais do que Eu Possa me Reconhecer, de Allan Ribeiro

Veja os vencedores da 18ª Mostra de Cinema de Tiradentes

A 18ª Mostra de Cinema de Tiradentes elegeu “Mais do que Eu Possa me Reconhecer”, do carioca Allan Ribeiro, o melhor longa-metragem do ano. Entre os curtas, a cineasta Gabriela Amaral Almeida levou a melhor por “Estátua!”. Veja a lista

Mais do que Eu Possa me Reconhecer, de Allan Ribeiro

Veja os vencedores da 18ª Mostra de Cinema de Tiradentes

A 18ª Mostra de Cinema de Tiradentes elegeu “Mais do que Eu Possa me Reconhecer”, do carioca Allan Ribeiro, o melhor longa-metragem do ano. Entre os curtas, a cineasta Gabriela Amaral Almeida levou a melhor por “Estátua!”. Veja a lista

Mais do que Eu Possa me Reconhecer, de Allan Ribeiro

Veja os vencedores da 18ª Mostra de Cinema de Tiradentes

A 18ª Mostra de Cinema de Tiradentes elegeu “Mais do que Eu Possa me Reconhecer”, do carioca Allan Ribeiro, o melhor longa-metragem do ano. Entre os curtas, a cineasta Gabriela Amaral Almeida levou a melhor por “Estátua!”. Veja a lista

Mais do que Eu Possa me Reconhecer, de Allan Ribeiro

Veja os vencedores da 18ª Mostra de Cinema de Tiradentes

A 18ª Mostra de Cinema de Tiradentes elegeu “Mais do que Eu Possa me Reconhecer”, do carioca Allan Ribeiro, o melhor longa-metragem do ano. Entre os curtas, a cineasta Gabriela Amaral Almeida levou a melhor por “Estátua!”. Veja a lista

Review: Quando Eu Era Vivo (2014), de Marco Dutra

Existe um novíssimo cinema brasileiro por trás das produções mais comerciais que ocupam as salas de exibição. Em posição inadequada, esses realizadores independentes tentam redefinir ou experimentar a linguagem cinematográfica nacional, muitas vezes sem chegar ao grande público devido aos

Review: Quando Eu Era Vivo (2014), de Marco Dutra

Existe um novíssimo cinema brasileiro por trás das produções mais comerciais que ocupam as salas de exibição. Em posição inadequada, esses realizadores independentes tentam redefinir ou experimentar a linguagem cinematográfica nacional, muitas vezes sem chegar ao grande público devido aos