wonder woman

Crítica | Mulher-Maravilha (2017), de Patty Jenkins

Avaliação: 3/5 De forma geral, o cinema é predominado por homens. A presença feminina sido assunto de debate nos últimos anos, servindo de pesquisa para instituições que defendem a redução da desigualdade de gênero. Recentemente, cineastas e atrizes falaram sobre

wonder woman

Crítica | Mulher-Maravilha (2017), de Patty Jenkins

Avaliação: 3/5 De forma geral, o cinema é predominado por homens. A presença feminina sido assunto de debate nos últimos anos, servindo de pesquisa para instituições que defendem a redução da desigualdade de gênero. Recentemente, cineastas e atrizes falaram sobre

Crítica | Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar (2017), de Joachim Rønning e Espen Sandberg

Avaliação: 2.5/5 Seis anos depois do quarto filme da franquia, “Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar” estreia com mais uma aventura em alto mar estrelada pelo Capitão Jack Sparrow. A franquia, originalmente lançada em 2003, tenta se renovar, mas

Crítica | Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar (2017), de Joachim Rønning e Espen Sandberg

Avaliação: 2.5/5 Seis anos depois do quarto filme da franquia, “Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar” estreia com mais uma aventura em alto mar estrelada pelo Capitão Jack Sparrow. A franquia, originalmente lançada em 2003, tenta se renovar, mas

muito romantico1

Crítica | Muito Romântico (2016), de Melissa Dullius e Gustavo Jahn

Avaliação: 3.5/5 Não existe beijo em “Muito Romântico”. Ao contrário do que se pode supor de um título que chega a ser genérico, a obra canaliza o afeto entre um casal a partir da mudança pessoal que eles vivem quando

muito romantico1

Crítica | Muito Romântico (2016), de Melissa Dullius e Gustavo Jahn

Avaliação: 3.5/5 Não existe beijo em “Muito Romântico”. Ao contrário do que se pode supor de um título que chega a ser genérico, a obra canaliza o afeto entre um casal a partir da mudança pessoal que eles vivem quando

Rafael-Cardoso-O-Rastro

Crítica | O Rastro (2016), de J.C. Feyer

Avaliação: 3/5 Apesar de a comédia ser o gênero mais famoso no circuito comercial do cinema brasileiro, os realizadores nacionais estão cada vez mais atraídos por outras experiências, especialmente nos curtas-metragens, onde o suspense e o terror têm sido explorados

Rafael-Cardoso-O-Rastro

Crítica | O Rastro (2016), de J.C. Feyer

Avaliação: 3/5 Apesar de a comédia ser o gênero mais famoso no circuito comercial do cinema brasileiro, os realizadores nacionais estão cada vez mais atraídos por outras experiências, especialmente nos curtas-metragens, onde o suspense e o terror têm sido explorados