Abraccine lança quatro livros na Mostra de São Paulo

TrajCriticaCinemaBRA Abraccine – Associação Brasileira de Críticos de Cinema lança quatro livros na 43ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. A Livraria Blooks do Shopping Frei Caneca recebe a associação em dias diferentes, sempre às 19h, para lançamentos com sessão de autógrafos, além de um debate no dia 23.

O primeiro lançamento, no dia 22, é o do livro “Paulínia – Uma História de Cinema”, escrito por João Nunes. Editada pela Paco Editorial, a publicação inicia uma nova série da Abraccine, voltada para os festivais de cinema, e reconta a história do festival e do polo de cinema da cidade paulista.

No dia 23, é a vez do livro “Mulheres atrás das câmeras: as cineastas brasileiras de 1930 a 2018”, publicação em parceria com a Editora Estação da Liberdade que reúne diversas autoras para falar resgatar o cinema produzido por mulheres no Brasil. Com organização de Luiza Lusvarghi e Camila Vieira, conta ainda com um pequeno dicionário de cineastas brasileiras, com 250 verbetes.

O lançamento de “Mulheres atrás das câmeras: as cineastas brasileiras de 1930 a 2018” será acompanhado de um debate, mediado por Lusvarghi, com a produtora de cinema e diretora da Ancine Debora Ivanov, a pesquisadora Karla Bessa e as cineastas Lilian Solá Santiago e Tata Amaral (cineasta, integrante do Coletivo Vermelha de cineastas e roteiristas mulheres).

O último evento, no dia 29, reunirá o lançamento de dois títulos: “Trajetória da Crítica de Cinema no Brasil” e “Curta Brasileiro – 100 Filmes Essenciais”, ambos em parceria com a Editora Letramento. O primeiro livro é organizado por Paulo Henrique Silva e resgata a história da crítica de cinema em vários estados brasileiros. O segundo retoma a série “100 filmes essenciais”, uma parceria com o Canal Brasil que fala sobre filmes que marcaram o cinema no Brasil. O livro destinado aos curtas-metragens foi organizado por Gabriel Carneiro e Paulo Henrique Silva.

A cada novo lançamento, a Abraccine vai ampliando uma bibliografia focada na crítica voltada ao cinema brasileiro, agora com nove títulos. Com apoio de patrocinadores e editoras, a associação já conta com três coleções: “100 filmes essenciais”, com quatro livros que listam filmes brasileiros, documentários, animações e curtas; “Pensadores”, com livros sobre a trajetória dos críticos Jean-Claude Bernardet e Ismail Xavier; e a recém-iniciada “Festivais de Cinema”, com o título sobre Paulínia, além de títulos específicos que resgatam partes da história da crítica e do próprio cinema do país.

“Desde que a Abraccine começou com o projeto de publicação de livros, há três anos, ficou claro que temos um importante papel na preservação da memória do cinema brasileiro e, por extensão,da própria produção da crítica no país. Estes lançamentos da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo ilustram bem o leque de filmografias que conseguimos atingir e o quanto refletir sobre elas pode repercutir”, observa Ivonete Pinto, presidente da Associação Brasileira de Críticos de Cinema.

Sobre os livros

Paulínia – Uma História de Cinema (Paco Editorial), de João Nunes
Lançamento: 22/10, de 19h às 22h.
Em 2005, uma novidade movimentou a Região Metropolitana de Campinas: o início das obras de um teatro e quatro estúdios que comporiam um polo de produção de filmes e um festival na cidade de Paulínia (SP). No livro “Paulínia – Uma História de Cinema”, o jornalista João Nunes narra cronologicamente a construção de um teatro grandioso para 1,3 mil lugares, dois estúdios pequenos, um médio e um grande, comenta bastidores de diversos filmes rodados na região, detalha todos os passos dos seis festivais, conta episódios que só ele presenciou, entrevista alguns dos protagonistas da história e fala dos desencontros políticos que motivaram o fim da experiência cinematográfica na cidade.

Mulheres atrás das câmeras: as cineastas brasileiras de 1930 a 2018 (Editora Estação Liberdade), de Luiza Lusvarghi e Camila Vieira da Silva (organizadoras)
Lançamento: 23/10, de 19h às 22h.
O livro é fruto de uma inquietação perante as poucas informações disponíveis sobre a história do cinema brasileiro feito por mulheres. 27 textos estruturam esta produção por meio de ensaios com recortes temáticos ou focados em figuras de destaque. Vamos desde o pioneirismo de Cléo de Verberena (a primeira realizadora mulher), Carmen Santos (produtora, atriz, criadora de estúdios) e Gilda Abreu (roteirista e diretora do sucesso O ébrio [1946]), até diretoras em atividade como Anna Muylaert e Suzana Amaral. A edição também inclui filmografias das realizadoras no “Pequeno dicionário das cineastas brasileiras”, com mais de 250 verbetes.

Trajetória da Crítica de Cinema no Brasil (Editora Letramento), de Paulo Henrique Silva (organizador)
Lançamento: 29/10, de 19h às 22h.
O livro resgata a história do início e do desenvolvimento do exercício da crítica de cinema em 23 dos 27 estados do país, incluindo o Distrito Federal. Textos de 34 autores traçam uma trajetória comum, mesmo em lugares distantes do centro econômico, que começa com a abertura das primeiras salas de exibição e prossegue com a criação de cineclubes nas décadas de 1930 a 1960. A publicação também reúne artigos sobre a produção na internet, para onde a crítica vem migrando nos últimos anos; o trabalho feito por mulheres; e registra a formação de associações de críticos. O livro é uma importante ferramenta para o estudo do cinema, da crítica e do jornalismo cultural no país.

Curta Brasileiro – 100 Filmes Essenciais (Editora Letramento), de Gabriel Carneiro e Paulo Henrique Silva (organizadores)
Lançamento: 29/10, de 19h às 22h.
Quarto e último volume da coleção “100 Melhores”, iniciada em 2016. Organizado por Gabriel Carneiro e Paulo Henrique Silva, apresenta ensaios sobre uma centenas de produções brasileira feitas no formato, em várias épocas. Cada texto é assinado por um autor diferente, reunindo nomes importantes da crítica e do pensamento sobre cinema no Brasil e no exterior. Conta ainda com 23 artigos históricos que percorrem a trajetória do curta.